Rastreador em automóveis fica para maio

 

O cronograma para a instalação obrigatória de dispositivos antifurto nos veículos produzidos no Brasil será alterado pela oitava vez. O sistema de telecomunicação do governo que vai monitorar e registrar os rastreadores está pronto após atrasos na implantação, mas agora é preciso testá-lo com os carros em movimento, o que levará mais alguns meses.

 

A instalação dos equipamentos, começando por 20% da produção de carros, está agora prevista para maio, e não mais em 31 de janeiro, como prevê o último cronograma. Esse é mais um atraso de uma história iniciada há sete anos, quando o governo estabeleceu o uso desses dispositivos dentro da política de prevenção ao roubo de veículos.

 


Resistência das Montadoras

 

Originalmente, já com o tempo para adequação das empresas, os rastreadores começariam a ser instalados em agosto de 2009. Porém, o cronograma teve que ser revisto por mais de três anos diante da resistência de montadoras, a demora na implantação do sistema e uma liminar que suspendeu na Justiça o programa por violação ao direito de privacidade - o que levou a ajustes no desenvolvimento dos módulos de rastreamento.

 

As empresas de autopeças que apostaram na legislação antifurto, de olho em um mercado potencial de quase seis milhões de veículos por ano, enfrentam hoje ociosidade nas linhas de produção e constrangimento ao ter que explicar para a matriz por que o projeto não saiu do papel. A maioria delas já deixou de colocar em seus orçamentos os volumes previstos na lei.

 


Investimento de R$ 150 Milhões

 

A Continental, um dos três maiores no setor de autopeças do mundo, investiu cerca de R$ 150 milhões nesse projeto, mas ainda não teve nenhum retorno financeiro com a linha de produção instalada na fábrica de Manaus (AM):

 

- Isso já nos causou muita dor de cabeça e cobranças do 'board' [conselho de administração]. Mas entendo a preocupação deles. Investe-se R$ 150 milhões e não se fatura nada com isso. Então, nos questionam: o que você fez com esse dinheiro?,  conta Maurício Muramoto, presidente no Brasil da Continental, que tem sua controladora sediada na Alemanha.

 

Ele diz que, com os atrasos e os ajustes necessários no produto para preservar a privacidade dos donos de automóveis, os investimentos no desenvolvimento e nas instalações fabris já são o dobro do que era inicialmente previsto para a produção local de rastreadores.

 


1,5 Milhão de Rastreadores

 

A mesma situação tem sido vivida pela Magneti Marelli, que se preparou para produzir até 1,5 milhão de rastreadores de carros, caminhões e ônibus em Hortolândia, no interior paulista:

 

- Usamos parte dessa capacidade para outros produtos porque a linha não pode ficar parada -, diz Ricardo Takahira, gerente de novos negócios da Magneti Marelli na área de sistemas eletrônicos, também reclamando da sucessão de atrasos no projeto. - Isso custou bastante a nossa credibilidade, afirma o executivo, ao comentar a reação da matriz do grupo na Itália.

 


Equipamento em Teste

 

Depois de testes em laboratório, o funcionamento do equipamento antifurto está sendo testado com os carros nas pistas sob o sistema de gerenciamento definitivo. O Denatran, que vai operar esse sistema - por onde passará todo o processo de ativação dos dispositivos -, informa que já foram feitos testes em vários veículos de marcas distintas. Atualmente, os testes estão sendo feitos em quatro veículos de duas marcas diferentes.

 

O novo cronograma, que fixa o inicio da instalação em maio, ainda será aprovado nos próximos dias pelo Conselho Nacional de Trânsito (Contran). Quando a funcionalidade do sistema for comprovada, começa a produção.

 


Produto Pronto Há Dois Anos

 

As empresas sistemistas, que produzem os módulos de rastreamento, dizem que o produto já está pronto há mais de dois anos. Mas as montadoras não descartam a necessidade de mais ajustes, levando a uma nova revisão de cronograma:

 

- Uma coisa é testar o equipamento em laboratório, outra é ver como ele funciona com os carros nas estradas, disse ao Valor Luiz Moan, vice-presidente da Anfavea, entidade que abriga as montadoras instaladas no país.

 

- Não temos razão para acreditar na necessidade de qualquer mudança nesses módulos , afirma Wayne Alves, diretor de engenharia da Kostal, fabricante de componentes elétricos de origem alemã que vai produzir os rastreadores em São Bernardo do Campo, no ABC paulista.

 


Privacidade Preservada

 

De forma gradual, os equipamentos antifurto serão instalados em todos veículos fabricados ou importados no país- desde os carros de passeio e caminhões a motocicletas. Contudo, para preservar sua privacidade, o dono do carro só terá acesso a funções de localização e bloqueio remoto do automóvel se contratar uma empresa de rastreamento e habilitar o dispositivo. Estima-se, contudo, que a adesão será baixa, em torno de 5% do total nos primeiros dois anos.

 

 

Data: 22.01.2013 - Fonte: Valor Econômico


Categoria: Notícia

Publicado em:

© 1996-2018 Grupo Forster - Todos os direitos reservados! - Administradora e Corretora de Seguros - é mais SEGURO na FORSTER.

by Redbit