Re­bar­bas da re­for­ma tra­ba­lhis­ta exi­gem cau­te­la de em­pre­sas, tra­ba­lha­do­res e Jus­ti­ça.

 

As no­vas re­gras tra­ba­lhis­tas en­tra­ram em vi­gor há só 16 di­as. Po­de ser ce­do pa­ra um le­van­ta­men­to do seu im­pac­to, mas já dá pa­ra na­ve­gar por al­gu­mas de su­as con­sequên­ci­as.


As mu­dan­ças co­me­ça­ram aatin­gir em­pre­sas e tra­ba­lha­do­respe­lo me­nos 3 ou 4 me­ses an­tes. Le­van­ta­men­to do Di­e­e­se, a ins­ti­tui­ção de es­ta­tís­ti­cas man­ti­da pe­los sin­di­ca­tos, mos­tra que, en­tre ju­lhoe agos­to, 45 do­cu­men­tos já men­ci­o­na­vam cláu­su­las que en­tra­ri­amem vi­gor. San­ci­o­na­da em 13 de ju­lho, a Lei 13.467 po­de, po­rém, es­tar lon­ge do ob­je­ti­vo de aca­barcom a in­se­gu­ran­ça ju­rí­di­ca e comas sub­je­ti­vi­da­des que pre­va­le­ce­ram até aqui nas cau­sas tra­ba­lhis­tas.


Há con­fu­são até com os qua­se 4 mi­lhões de ações que já so­bre­car­re­ga­vam a Jus­ti­ça do Tra­ba­lho. As dú­vi­das sur­gem por­que as no­vas re­gras pre­ve­em que a par­te per­de­do­ra de­ve ar­car com os ho­no­rá­ri­os de su­cum­bên­cia de­ter­mi­na­dos pe­lo juiz. É prá­ti­ca já ado­ta­da no Có­di­go de Pro­ces­so Ci­vil (CPC) des­de 2015. A ju­ris­pru­dên­cia do Su­pe­ri­or Tri­bu­nal de Jus­ti­ça su­ge­re que a exi­gên­cia do pa­ga­men­to não se apli­ca a ca­sos ajui­za­dos an­tes da vi­gên­cia do no­vo Có­di­go.


Pai­ram dú­vi­das so­bre se es­sede­va ser tam­bém o pro­ce­di­men­toa ser ado­ta­do na Jus­ti­ça do Tra­ba­lho. Co­mo ob­ser­va Jú­lio Men­des,
do Es­cri­tó­rio de Ad­vo­ca­cia Mas­ca­ro Nas­ci­men­to, as pri­mei­ras de­ci­sões fo­ram con­fli­tan­tes. Ain­da nopri­mei­ro dia de vi­gên­cia da no­vaCLT, dois juí­zes ti­ve­ram en­ten­di­men­tos opos­tos so­bre se os ho­no­rá­ri­os de su­cum­bên­cia de­vem serapli­ca­dos a ca­sos que já ha­vi­amen­tra­do em cur­so an­tes da lei.


E já há ou­tros pon­tos de con­fli­to. Bas­ta­ram três di­as de vi­gên­cia da lei pa­ra que o go­ver­no pu­bli­cas­se a Me­di­da Pro­vi­só­ria (MP) 808 que de­ter­mi­nou no­vas dis­po­si­ções, co­mo a cláu­su­la que an­tes per­mi­tia que fun­ci­o­ná­ria ges­tan­te con­ti­nu­as­se a tra­ba­lhar em ati­vi­da­des in­sa­lu­bres, des­de que ga­ran­ti­do adi­ci­o­nal de sa­lá­rio. Pe­la MP, es­sa fa­ci­li­da­de pa­tro­nal dei­xa de exis­tir, a ges­tan­te é li­cen­ci­a­da e de­ve exer­cer su­as ati­vi­da­des em am­bi­en­tes sa­lu­bres.


No en­ten­di­men­to de es­pe­ci­a­lis­tas, a MP, que sur­giu pa­ra eli­mi­nar pro­ble­mas ou omis­sões da re­for­ma, dei­xou mais con­fu­so o que já era con­fu­so. E mais dú­vi­das po­dem apa­re­cer de­pois que a MP for vo­ta­da no Con­gres­so, da­do que, só na se­ma­na pas­sa­da, fo­ram pro­pos­tas qua­se 900 emen­das ao tex­to ori­gi­nal.


A es­pe­ci­a­lis­ta Ma­ria Lu­cia Be­nha­me en­ten­de que um dos pon­tos mais po­lê­mi­cos é o que tra­tados prê­mi­os ex­tras pa­gos pe­lasem­pre­sas a seus fun­ci­o­ná­ri­os. Ano­va lei re­ti­rou a na­tu­re­za sa­la­ri­alde qua­se to­dos es­ses be­ne­fí­ci­os,se­jam eles pa­gos em di­nhei­ro, em
cur­sos de aper­fei­ço­a­men­to ou emvi­a­gens. O tex­to tam­bém pre­viaque prê­mi­os pa­gos não pre­vis­tosem con­tra­to não po­de­ri­am ser en­ten­di­dos co­mo sa­lá­rio. Por is­so,mui­tas em­pre­sas já ha­vi­am al­te­ra­do su­as po­lí­ti­cas de prê­mi­os e abo­nos, con­si­de­ran­do que so­bre elesnão in­ci­di­ri­am nem Im­pos­to deRen­da nem con­tri­bui­ção pa­ra oINSS. Mas a MP de­ter­mi­nou quebe­ne­fí­ci­os não in­te­gram a re­mu­ne­ra­ção do em­pre­ga­do, des­de queli­mi­ta­dos a 50% do sa­lá­rio, e acon­ces­são de prê­mi­os não pre­vis­tos em con­tra­to de­ve ser li­mi­ta­daa du­as ve­zes ao ano.
Ou­tra ques­tão con­fli­tan­te é a da re­gu­la­men­ta­ção do tra­ba­lho in­ter­mi­ten­te. A lei de­ter­mi­na que só são re­mu­ne­ra­das as ho­ras de tra­ba­lho efe­ti­vo. Nes­sas con­di­ções, os tra­ba­lha­do­res in­ter­mi­ten­tes po­dem fe­char o mês sem ga­nhar, no to­tal, um sa­lá­rio mí­ni­mo, o que im­pe­di­ria a co­bran­ça de con­tri­bui­ção pre­vi­den­ciá­ria.


O es­pe­ci­a­lis­ta Jú­lio Men­desopi­na que a MP acer­ta ao de­fi­nir opra­zo de um ano pa­ra que o con­tra­to in­ter­mi­ten­te se­ja rom­pi­doca­so não ha­ja con­vo­ca­ções do em­pre­ga­dor. Mas de­fen­de que a leiain­da pre­ci­sa ga­ran­tir mais pro­te­ção ao tra­ba­lha­dor que, pe­la na­tu­re­za de sua ati­vi­da­de, ne­ces­si­ta demais con­tra­tos de tra­ba­lho pa­rater ren­da es­tá­vel. Tal ne­ces­si­da­de,na opi­nião do ad­vo­ga­do, res­trin­geo aces­so do tra­ba­lha­dor a no­vasopor­tu­ni­da­des e faz com que o


rom­pi­men­to do con­tra­to nu­ma ati­vi­da­de em cur­so fi­que mais com­pli­ca­do do que no tra­ba­lho for­maltra­di­ci­o­nal.
A MP im­põe, ain­da, qua­ren­te­na de 18 me­ses pa­ra que um em­pre­ga­dor re­con­tra­te fun­ci­o­ná­rio de­mi­ti­do. Pa­ra o tra­ba­lha­dor cu­ja ati­vi­da­de é, por na­tu­re­za, in­ter­mi­ten­te, co­mo o ca­so de cai­xas, bal­co­nis­tas ou gar­çons, a de­ter­mi­na­ção po­de se tor­nar em­pe­ci­lho à ob­ten­ção de no­vos con­tra­tos nos pe­río­dos de mai­or de­man­da, co­mo as fes­tas de fim de ano.


De­pois de anos fun­ci­o­nan­do sob re­gras sep­tu­a­ge­ná­ri­as é na­tu­ral que o mun­do do tra­ba­lho en­fren­te di­fi­cul­da­des pa­ra se adap­tar a uma CLT re­no­va­da, mas, co­mo já apon­tou es­ta Co­lu­na, a re­for­ma dei­xou re­bar­bas que pre­ci­sam ser apa­ra­das e elas con­ti­nu­am aí exi­gin­do cau­te­la de em­pre­sas, tra­ba­lha­do­res, juí­zes e ad­vo­ga­dos.

 


Categoria: Notícia

Publicado em:

© 1996-2018 Grupo Forster - Todos os direitos reservados! - Administradora e Corretora de Seguros - é mais SEGURO na FORSTER.

by Redbit