Se­gu­ro pa­ra con­do­mí­nio é coi­sa sé­ria

A pri­mei­ra re­gra des­co­nhe­ci­da da mai­o­ria dos condô­mi­nos é que o se­gu­ro de con­do­mí­nio é obri­ga­tó­rio por lei

Ain­da que os condô­mi­nos em ge­ral te­nham pou­co in­te­res­se pe­lo te­ma, as con­sequên­ci­as de um se­gu­ro mal fei­to po­dem ser ca­tas­tró­fi­cas. Pou­ca gen­te pres­ta aten­ção, mas se­gu­ro pa­ra con­do­mí­nio é coi­sa sé­ria. Ain­da que os condô­mi­nos em ge­ral te­nham pou­co in­te­res­se pe­lo te­ma e me­nos ain­da no­ção do que é fei­to no que diz res­pei­to à ques­tão, as con­sequên­ci­as de um se­gu­ro mal fei­to po­dem ser ca­tas­tró­fi­cas.

Co­me­çan­do pe­lo ris­co de in­cên­dio, que as pes­so­as sem­preacham que nun­ca vai acon­te­cercom elas, pas­san­do por to­dos os ti­pos de si­tu­a­ções in­ter­me­diá­ri­as,até a não con­tra­ta­ção do se­gu­roobri­ga­tó­rio, as ações e omis­sõespo­dem ter im­pac­to se­rís­si­mo navi­da das ví­ti­mas dos di­fe­ren­tes ti­pos de even­tos pos­sí­veis de cau­sar da­nos em fun­ção da exis­tên­cia efun­ci­o­na­men­to de um edi­fí­cio emcon­do­mí­nio.

A pri­mei­ra re­gra des­co­nhe­ci­da da mai­o­ria dos condô­mi­nos é que o se­gu­ro de con­do­mí­nio é obri­ga­tó­rio por lei. Se du­ran­te mui­tos anos es­sa proi­bi­ção não ti­nha con­sequên­ci­as prá­ti­cas, des­de 2007 a si­tu­a­ção mu­dou ra­di­cal­men­te. Ho­je, a não con­tra­ta­ção de um se­gu­ro obri­ga­tó­rio po­de ge­rar mul­ta de até 10% do va­lor se­gu­rá­vel. Is­so sig­ni­fi­ca que a não con­tra­ta­ção do se­gu­ro pa­ra um edi­fí­cio com va­lor de R$ 100 mi­lhões po­de ge­rar uma mul­ta de até R$ 10 mi­lhões pa­ra o con­do­mí­nio. Até ago­ra, a Su­sep (Su­pe­rin­ten­dên­cia de Se­gu­ros Pri­va­dos) não tem agi­do com ri­gor e apli­ca­do mui­tas mul­tas, mas is­so não quer di­zer que ela não pos­sa fa­zê-lo, es­pe­ci­al­men­te no ca­so de um si­nis­tro que te­nha pu­bli­ci­da­de, com­pli­can­do ain­da mais uma si­tu­a­ção que já é ruim pe­la pró­pria na­tu­re­za do even­to.

Além da mul­ta, a lei dis­põeque o sín­di­co e os con­se­lhei­ros docon­do­mí­nio res­pon­dem pe­la nãocon­tra­ta­ção ou con­tra­ta­ção in­su­fi­ci­en­te do se­gu­ro. Es­sa si­tu­a­ção po­de ser ate­nu­a­da se fi­car pro­va­do que a de­ci­são foi da as­sem­bleia docon­do­mí­nio, mas o mais im­por­tan­te é se ter cla­ro que, res­pon­den­do ou não, é mui­to di­fí­cil meiadú­zia de pes­so­as ter pa­trimô­niopa­ra re­por as per­das de um in­cên­dio de gran­des pro­por­ções.

Ga­ran­tia. A ga­ran­tia de in­cên­dio do se­gu­ro de con­do­mí­nio co­bre to­da a área cons­truí­da do edi­fí­cio. Es­sa in­for­ma­ção é im­por­tan­te por­que é co­mum os agen­tes fi­nan­cei­ros do sis­te­ma imo­bi­liá­rio ofe­re­ce­rem se­gu­ro pa­ra a uni­da­de fi­nan­ci­a­da o que ge­ra du­pla co­ber­tu­ra, ve­da­da por lei. Nes­tes ca­sos, ou não se con­tra­ta a ga­ran­tia ofe­re­ci­da pe­lo agen­te fi­nan­cei­ro, ou se ex­clui do se­gu­ro do con­do­mí­nio a ver­ba re­fe­ren­te a uni­da­de fi­nan­ci­a­da, com a con­se­quen­te re­du­ção da sua men­sa­li­da­de de con­do­mí­nio.

O se­gu­ro de con­do­mí­nio co­bre o con­teú­do ape­nas das áre­as co­muns. Por­tan­to, o que es­ti­ver den­tro das uni­da­des não é se­gu­ra­do por ele. Es­tes bens ne­ces­si­tam um se­gu­ro es­pe­ci­al, com im­por­tân­cia se­gu­ra­da es­pe­cí­fi­ca, que, no ca­so de um si­nis­tro, so­bran­do ver­ba da in­de­ni­za­ção do con­teú­do, é uti­li­za­da pa­ra com­ple­tar even­tu­al fal­ta de ca­pi­tal na apó­li­ce do edi­fí­cio.

Qu­em sa­be tão im­por­tan­tequan­to o se­gu­ro de in­cên­dio é ose­gu­ro de res­pon­sa­bi­li­da­de ci­vil, ose­gu­ro que in­de­ni­za da­nos a ter­cei­ros em fun­ção da exis­tên­cia efun­ci­o­na­men­to do con­do­mí­nio.Es­ta ga­ran­tia po­de con­si­de­rar os  condô­mi­nos co­mo ter­cei­ros, in­cluin­do-os nas hi­pó­te­ses de in­de­ni­za­ção. O que não acon­te­ce é ocon­trá­rio, ou se­ja, os da­nos cau­sa­dos pe­los condô­mi­nos a ter­cei­rosou ao pró­prio con­do­mí­nio não sãoco­ber­tos pelo se­gu­ro.

Ima­gi­ne um edi­fí­cio de al­to pa­drão, tan­to faz se co­mer­ci­al ou re­si­den­ci­al. Qu­al o ris­co de, na que­da de um ele­va­dor, uma ou mais pes­so­as mor­re­rem ou se fe­ri­rem se­ri­a­men­te? Is­so não acon­te­ce? O Ti­ta­nic não afun­da­va, o Bra­sil não ti­nha tor­na­dos, o 11 de se­tem­bro era im­pos­sí­vel. To­dos acon­te­ce­ram.

Qu­al o va­lor ne­ces­sá­rio pa­ra uma ga­ran­tia des­sa na­tu­re­za? Se um si­nis­tro de gran­des pro­por­ções acon­te­cer, ain­da que não se re­pe­tin­do a tra­gé­dia do Edi­fí­cio Jo­el­ma, qual o va­lor das in­de­ni­za­ções? Com cer­te­za, um, dois ou dez mi­lhões de re­ais se­rão in­su­fi­ci­en­tes. Não tra­tar o se­gu­ro de con­do­mí­nio co­mo as­sun­to sé­rio é co­lo­car a pró­pria vi­da e o pa­trimô­nio em ris­co, sen­do que o pre­ço do se­gu­ro é bas­tan­te ra­zoá­vel e as ga­ran­ti­as vão mui­to além das que eu mos­trei aci­ma, dan­do pro­te­ção pa­ra um am­plo es­pec­tro de ris­cos que po­dem cau­sar per­das im­por­tan­tes pa­ra o con­do­mí­nio e pa­ra os condô­mi­nos. 

  • O Estado de S. Paulo., Brasil 23 de abr de 2018 AN­TO­NIO PEN­TE­A­DO MEN­DON­ÇA

Categoria: Notícia

Publicado em:

© 1996-2018 Grupo Forster - Todos os direitos reservados! - Administradora e Corretora de Seguros - é mais SEGURO na FORSTER.

by Redbit