Tudo o que precisa de saber sobre seguros de viagem

30/10/2016 / Fonte: Notícias ao minuto

shutterstock

Na hora de planear uma viagem, não basta centrar apenas as atenções no bilhete de avião e na reserva do hotel. É importante traçar um plano turístico pesquisar sobre as zonas a visitar e, claro, fazer um seguro de viagem.

Como explica a momondo num comunicado enviado às redações, 'o seguro de viagem não é um substituto do seguro de saúde, mas antes um complemento que ajudará a proteger o viajante no caso de um acidente ou emergência no estrangeiro'. Contudo, destaca, 'a cobertura dependerá do plano que se escolher, mas poderá abranger a cobertura total ou parcial dos bilhetes de avião, perda de bens, despesas com emergências médicas, entre outros'.

Então, o que é preciso ter em conta na hora de escolher um seguro de viagem? Diz a momondo que um dos primeiros aspetos a avaliar é o preço, sendo que o mais indicado é que equivalha entre 4% a 8% do custo total da viagem. Mas se quiser ser mais preciso, a momondo ajuda a fazer as contas: some o total dos custos não-reembolsáveis (como aqueles que dizem respeito aos bilhetes de avião, reservas de hotel, aluguer de carro, cruzeiro ou qualquer outro item que se queira abrangido pelo seguro) e multiplique-se por 5%.

Quanto ao tipo de seguro, pode-se escolher entre um abrangente (e que inclui tudo, como apoio telefónico, limite de cobertura elevado, cuidados de evacuação médica, cobertura de bens perdidos danificados ou roubados, seguro de acidentes pessoais, etc.), um com cobertura médica, com evacuação médica, um seguro de morte acidental ou ainda um seguro de grupo. Porém, antes de se selecionar o tipo de seguro mais adequado, há que ter em conta o país que se visita e a condição de saúde de cada um dos assegurados.

Se acha que o valor do seguro de viagem faz questionar a real necessidade de fazer um, a momondo explica que 'nem todas as viagens carecem de um seguro'. 'o caso de um casal jovem, que fará apenas um city break até Vigo, em Espanha, que fica relativamente perto de Portugal e onde o galego se percebe bem, talvez não seja necessário comprar um seguro. Mas se se tratar de um casal, com filhos, que viajam para um país escandinavo ou que atravessam o Atlântico para terras de Vera Cruz, talvez se queira considerar um seguro de viagem, sendo que neste caso, crianças menores de idade estão cobertas pelo seguro sem custos adicionais', resume o motor de busca.

 

 


Categoria: Notícia

Publicado em:

© 1996-2018 Grupo Forster - Todos os direitos reservados! - Administradora e Corretora de Seguros - é mais SEGURO na FORSTER.

by Redbit