Con­do­mí­nio e condô­mi­no

Sín­di­co e mem­bros do con­se­lho do con­do­mí­nio res­pon­dem pe­los da­nos não in­de­ni­za­dos em vir­tu­de da não con­tra­ta­ção ou de con­tra­ta­ção in­su­fi­ci­en­te do se­gu­ro pa­tri­mo­ni­al

     Não con­tra­ta­ção de se­gu­ro pa­tri­mo­ni­al de edi­fí­cio po­de im­pli­car mul­ta de até 10% do va­lor do ris­co se­gu­rá­vel
 

Ose­gu­ro pa­tri­mo­ni­al de edi­fí­ci­os em con­do­mí­nio é um se­gu­ro obri­ga­tó­rio e a sua não con­tra­ta­ção po­de im­pli­car mul­ta de até 10% do va­lor do ris­co se­gu­rá­vel. Ou se­ja: um edi­fí­cio no va­lor de R$ 50 mi­lhões po­de re­sul­tar nu­ma mul­ta de R$ 5 mi­lhões, ca­so o se­gu­ro não se­ja con­tra­ta­do.

Além dis­so, o sín­di­co e osmem­bros do con­se­lho do con­do­mí­nio res­pon­dem pe­los da­nos nãoin­de­ni­za­dos em vir­tu­de da nãocon­tra­ta­ção ou de con­tra­ta­ção in­su­fi­ci­en­te do se­gu­ro pa­tri­mo­ni­al.Es­sas re­gras são cla­ras e im­po­si­ti­vas. Se o se­gu­ro não for fei­to, oufor mal fei­to, os que ti­ve­ram par­ti­ci­pa­ção na de­fi­ni­ção dos pa­râ­me­tros e na to­ma­da de de­ci­são danão con­tra­ta­ção, ou da con­tra­ta­ção in­su­fi­ci­en­te, res­pon­dem pe­los da­nos de­cor­ren­tes dossi­nis­tros que de­ve­ri­am es­tar co­ber­tos.

Mas, além dos ris­cos pa­tri­mo­ni­ais, os con­do­mí­ni­os têm ou­tro ris­co da mai­or im­por­tân­cia, tan­to pe­lo mon­tan­te dos da­nos co­mo pe­lo com­pro­me­ti­men­to das re­la­ções so­ci­ais en­tre os mo­ra­do­res. É o se­gu­ro de res­pon­sa­bi­li­da­de ci­vil - que in­de­ni­za da­nos cau­sa­dos a ter­cei­ros em fun­ção da exis­tên­cia e do fun­ci­o­na­men­to do con­do­mí­nio.

Em al­gu­mas si­tu­a­ções, de­pen­den­do da ga­ran­tia, o se­gu­ra­do é equi­pa­ra­do a ter­cei­ro, ou se­ja, tem di­rei­to a re­ce­ber a in­de­ni­za­ção do se­gu­ro em vir­tu­de de so­frer da­nos cau­sa­dos pe­lo con­do­mí­nio. Em ou­tras não. Tam­bém há si­tu­a­ções (ra­ras) em que os condô­mi­nos po­dem ser cos­se­gu­ra­dos da apó­li­ce, ca­so em que os da­nos a ter­cei­ros são cau­sa­dos pe­lo condô­mi­no e a apó­li­ce do con­do­mí­nio ga­ran­te in­de­ni­za­ção dos pre­juí­zos.

Os pa­co­tes de se­gu­ros pa­ra con­do­mí­nio nor­mal­men­te ofe­re­cem ga­ran­tia de res­pon­sa­bi­li­da­deci­vil pa­ra os ris­cos de­cor­ren­tes daexis­tên­cia e fun­ci­o­na­men­to doedi­fí­cio. São aci­den­tes co­mo al­guém es­cor­re­gar no pi­so mo­lha­doe que­brar a per­na, ou um va­sopen­du­ra­do na fa­cha­da co­mumcair em ci­ma de um veí­cu­lo, ou es­tou­rar uma co­lu­na de água e inun­dar os apar­ta­men­tos, etc.

Ne­les, há a par­ti­ci­pa­ção ati­va ou pas­si­va do con­do­mí­nio - quer di­zer, o da­no foi cau­sa­do em fun­ção da exis­tên­cia e fun­ci­o­na­men­to do con­do­mí­nio, es­tan­do co­ber­tos in­clu­si­ve os da­nos cau­sa­dos a ter­cei­ros pe­los seus fun­ci­o­ná­ri­os.

Nes­ta si­tu­a­ção, os condô­mi­nos são equi­pa­ra­dos a ter­cei­ros e, por­tan­to, no ca­so de so­fre­rem per­da de­cor­ren­te de even­to en­vol­ven­do o con­do­mí­nio, têm di­rei­to à in­de­ni­za­ção do se­gu­ro.

O se­gu­ro de res­pon­sa­bi­li­da­deci­vil do con­do­mí­nio dá ga­ran­tiapa­ra aci­den­tes acon­te­ci­dos emfun­ção da exis­tên­cia das áre­as co­muns. Ele não con­tem­pla os da­noscau­sa­dos a ter­cei­ros em fun­ção deaci­den­tes den­tro das uni­da­despar­ti­cu­la­res. Se um condô­mi­no fazuma li­ga­ção er­ra­da e co­nec­ta a re­de de água à re­de de gás, inun­dan­do a tu­bu­la­ção e mes­mo ou­trasuni­da­des do edi­fí­cio, a res­pon­sa­bi­li­da­de é de­le. O se­gu­ro de res­pon­sa­bi­li­da­de ci­vil do con­do­mí­nionão in­de­ni­za­rá as ví­ti­mas do aci­den­te. A res­pon­sa­bi­li­da­de pe­losda­nos não é do con­do­mí­nio.

Con­se­quen­te­men­te o seu se­gu­rode da­nos a ter­cei­ros não pa­ga­rá ain­de­ni­za­ção.

Além dos ris­cos em fun­ção da exis­tên­cia e fun­ci­o­na­men­to do edi­fí­cio, exis­tem ou­tros que po­dem cau­sar da­nos a ter­cei­ros, com­pro­me­ten­do o cai­xa do con­do­mí­nio. É o ca­so do ris­co de res­pon­sa­bi­li­da­de ci­vil ga­ra­gis­ta, que in­de­ni­za os da­nos cau­sa­dos aos veí­cu­los es­ta­ci­o­na­dos no pré­dio, ou da­nos so­fri­dos pe­los em­pre­ga­dos du­ran­te seus tur­nos de tra­ba­lho, co­mo, por exem­plo, um fun­ci­o­ná­rio cair de uma es­ca­da e que­brar um bra­ço, etc.

Já os da­nos a ter­cei­ros cau­sa­dos pe­la ação ou omis­são dos condô­mi­nos não são co­ber­tos. Se es­tou­ra o boi­ler de água quen­te de um apar­ta­men­to e a água atin­ge o apar­ta­men­to de bai­xo, ou se uma ex­plo­são de gás nu­ma co­zi­nha da­ni­fi­ca ou­tras uni­da­des do edi­fí­cio, o se­gu­ro de res­pon­sa­bi­li­da­de ci­vil do con­do­mí­nio não in­de­ni­za. E a ra­zão é sim­ples: os da­nos não são de res­pon­sa­bi­li­da­de do con­do­mí­nio, mas de um condô­mi­no.

Pa­ra es­tas si­tu­a­ções exis­te um se­gu­ro que o condô­mi­no con­tra­ta pa­ra ga­ran­tir os da­nos cau­sa­dos a ter­cei­ros em fun­ção da exis­tên­cia e fun­ci­o­na­men­to da sua uni­da­de. É um se­gu­ro re­la­ti­va­men­te ba­ra­to e que, ape­sar da sua im­por­tân­cia, qua­se não é con­tra­ta­do.


Categoria: Notícia

Publicado em:

© 1996-2018 Grupo Forster - Todos os direitos reservados! - Administradora e Corretora de Seguros - é mais SEGURO na FORSTER.

by Redbit