Pi­ra­tas den­tro e fo­ra do Ca­ri­be

A mai­o­ria dos bar­cos no País não tem qual­quer ti­po de se­gu­ro; ima­gi­ne um com ga­ran­tia pa­ra ata­ques pi­ra­tas

Ape­sar dos ata­ques se­rem ca­da vez mais co­muns em nos­sa cos­ta, o bra­si­lei­ro con­ti­nua fir­me na sua to­a­da de não con­tra­tar se­gu­ro, mes­mo sa­ben­do dos ris­cos que cor­re

Os pi­ra­tas de­ve­ri­am es­tar fo­ra de mo­da. Afi­nal, faz 300 anos que ti­ve­ram seu apo­geu, na­ve­gan­do nas águas do Ca­ri­be, sa­que­an­do os ga­leões es­pa­nhóis car­re­ga­dos de ou­ro em sua vi­a­gem pa­ra a Eu­ro­pa. Atu­al­men­te, es­tão re­du­zi­dos a per­so­na­gens de fil­me, em aven­tu­ras de to­dos os ti­pos, com to­dos os gran­des pi­ra­tas nos pa­péis prin­ci­pais, in­va­ri­a­vel­men­te ven­cen­do os es­pa­nhóis e mes­mo os in­gle­ses, com cu­jas cartas de cor­so se lan­ça­vam ao mar atrás de te­sou­ros e for­tu­na fá­cil.

Os pi­ra­tas de­ve­ri­am es­tar fo­ra de mo­da, mas não es­tão, es­pe­ci­al­men­te nas águas do Ca­ri­be, on­de ade­te­ri­o­ra­ção da si­tu­a­ção ve­ne­zu­e­la­na fez com que os seus ata­quesau­men­tas­sem mais de 160% nosúl­ti­mos anos.

Pi­ra­tas não são no­vi­da­de no mun­do mo­der­no. Sem­pre es­ti­ve­ram por aí, atu­an­do mais in­ten­sa­men­te em de­ter­mi­na­das áre­as dos oce­a­nos, co­mo a cos­ta da So­má­lia e as águas do Gol­fo das Fi­li­pi­nas.

Pa­ra quem ima­gi­na que o Bra­sil não tem pi­ra­tas, va­le lem­brar o as­sas­si­na­to do ve­le­ja­dor da No­va Ze­lân­dia, Pe­ter Bla­ke, em 2001, quan­do es­ta­va an­co­ra­do na cos­ta do Ama­pá, por pi­ra­tas bra­si­lei­ros que rou­ba­ram ape­nas um re­ló­gio e um mo­tor de po­pa, mas nem por is­so dei­xa­ram o gran­de na­ve­gan­te vi­vo.

Mas não é ape­nas em lo­cais er­mos que os pi­ra­tas atu­am, tan­to no Ca­ri­be, co­mo no Bra­sil. Sua ação mui­tas ve­zes acon­te­ce den­tro de por­tos co­mo o de San­tos, o mai­or por­to da Amé­ri­ca La­ti­na, on­de os pi­ra­tas agem com bas­tan­te su­ces­so, ata­can­do os na­vi­os atra­ca­dos, faz mui­tos anos.

Re­cen­te­men­te, uma qu­a­dri­lha detra­fi­can­tes de dro­gas si­mu­lou umataque pi­ra­ta con­tra um na­vio nopor­to de San­tos pa­ra em­bar­car,com des­ti­no à Eu­ro­pa, mais deuma to­ne­la­da de co­caí­na, dis­far­ça­da em dois con­têi­ne­res. No ca­so, opla­no fa­lhou e eles fo­ram pre­sos ea dro­ga, des­co­ber­ta. Mas a si­mu­la­ção do ataque é su­fi­ci­en­te pa­ramos­trar que eles são co­muns e ograu de su­ces­so dos ban­di­dos in­cen­ti­va es­se ti­po de ação.

Na mai­o­ria das ve­zes, os pi­ra­tas dos por­tos bra­si­lei­ros não ma­tam as tri­pu­la­ções, o que não qu­er di­zer que is­so não acon­te­ça - tan­to faz se o al­vo é um na­vio, uma lan­cha, um ve­lei­ro ou um pes­quei­ro.

Vá­ri­os anos atrás, um pri­mo foi ví­ti­ma de um ataque des­ses en­quan­to dor­mia em seu ve­lei­ro an­co­ra­do na bo­ca do Ca­nal de Ber­ti­o­ga. Não foi uma ex­pe­ri­ên­cia agra­dá­vel e ele e seu ma­ri­nhei­ro aca­ba­ram pre­sos no ba­nhei­ro, en­quan­to os pi­ra­tas le­va­vam o que que­ri­am, sem nin­guém pa­ra im­pe­di-los.

Os na­vi­os com ro­tas in­ter­na­ci­o­nais evi­den­te­men­te têm se­gu­ro pa­ra ata­ques de pi­ra­tas. Eles acon­te­cem fre­quen­te­men­te na cos­ta da Áfri­ca, on­de os pi­ra­tas so­ma­lis se tor­na­ram fa­mo­sos ao pon­to das gran­des po­tên­ci­as man­te­rem be­lo­na­ves de guer­ra na­ve­gan­do na re­gião pa­ra per­se­gui-los, as­sus­tá-los e as­se­gu­rar a li­vre na­ve­ga­ção, prin­ci­pal­men­te de na­vi­os de car­ga que cru­zam aque­les ma­res.

Acon­te­cem no Gol­fo das Fi­li­pi­nas,no Mar da Chi­na e em de­ze­nas depor­tos es­pa­lha­dos pe­los paí­ses domun­do, nos quais a ação de pi­ra­tas faz par­te da ro­ti­na. A co­ber­tu­ra não é au­to­má­ti­ca, mas as com­pa­nhi­as de na­ve­ga­ção e os ar­ma­do­res sa­bem que es­sas ações po­dem cus­tar ca­ro, além de co­lo­carem pe­ri­go a vi­da das tri­pu­la­ções.

Mas es­te qua­dro mu­da ra­di­cal­men­te quan­do se fa­la das lan­chas e ve­lei­ros par­ti­cu­la­res e dos bar­cos de pes­ca da fro­ta bra­si­lei­ra. A mai­o­ria de­les não tem qual­quer ti­po de se­gu­ro, ima­gi­ne um se­gu­ro com ga­ran­tia pa­ra ata­ques de pi­ra­tas.

Ape­sar dos ata­ques se­rem ca­da vez mais co­muns e te­rem se es­pa­lha­do por pra­ti­ca­men­te to­da a nos­sa cos­ta, com qua­dri­lhas es­pe­ci­a­li­za­das e ban­di­dos sem ne­nhu­ma prá­ti­ca ata­can­do as em­bar­ca­ções, o bra­si­lei­ro con­ti­nua fir­me na sua to­a­da de não con­tra­tar se­gu­ro, ain­da que sa­ben­do dos ris­cos que cor­re, dos va­lo­res en­vol­vi­dos e até da pos­si­bi­li­da­de de per­der a pró­pria vi­da.

'Se­gu­ro pa­ra quê? Is­so não acon­te­ce de ver­da­de. É con­ver­sa de bei­ra de cais ou se­de de ia­te clu­be.' Até que o ataque acon­te­ce. No mun­do re­al, além do rou­bo de va­lo­res e equi­pa­men­tos, a ação po­de ter­mi­nar com um bar­co ca­ro ba­ten­do nas pe­dras por­que os pi­ra­tas, além de ata­cá-lo, cor­tam o ca­bo da ân­co­ra na ho­ra em que dei­xam a em­bar­ca­ção.

 


Categoria: Notícia

Publicado em:

© 1996-2018 Grupo Forster - Todos os direitos reservados! - Administradora e Corretora de Seguros - é mais SEGURO na FORSTER.

by Redbit